Eu amo Rio Negrinho

Comitê da Dengue faz balanço de ações e traça próximas metas

Conscientização em unidades de ensino e visitas domiciliares estiveram entre os trabalhos
22/11/2018 08:29

Você já encontrou algum outdoor de conscientização contra a dengue na cidade? Ou ainda, escutou alguma criança falando da importância em não deixar água acumulada em vasos e pneus velhos? Essas são algumas das ações desenvolvidas pelo Comitê de Combate a Dengue desde 2016. Somando cerca de 30 encontros, realizados uma vez ao mês, o grupo já conseguiu desenvolver na comunidade o projeto “Caçamba nos bairros”, limpeza e descarte de embalagens irregulares dos cemitérios, visitas residenciais e conscientização em unidades de ensino. A iniciativa pretende continuar para os próximos anos reforçando o trabalho educativo em locais públicos e privados.

A ideia de criar um comitê surgiu já com os primeiros surtos de dengue no Estado. E, como forma de conscientizar e precaver possíveis casos, o grupo vem atuando até hoje através dos setores de Vigilância Epidemiológica, Fundação Hospitalar e as secretarias de Educação e Saúde. “O trabalho realizado aqui é feito com muito suor e dedicação como forma de mostrar a população que o mosquito não pode ser mais forte e com pequenas ações podemos ajudar a todos” frisou Luís Eduardo Rodrigues, médico e diretor técnico da Secretaria de Saúde. Além dos órgãos municipais, Corpo de Bombeiros, Samae, Polícia Militar, Paróquia Santo Antônio de Pádua, EEB Jorge Zipperer, EEB Profª Marta Tavares e Grupo Escoteiro Arnaldo de Almeida Oliveira integram o comitê.

A preocupação com o mosquito Aedes aegypti não é pouca, ele é transmissor da zika, dengue e chikungunya. Os microrganismos de cada doença usam o mosquito como vetor. No caso da zika, a transmissão também ocorre de mãe para filho durante a gravidez, podendo causar problemas como a microcefalia. A dengue representa a maior parte dos casos atualmente no país: 72% de suspeitas e 78% de mortes. No Estado, segundo dados da Diretoria de Vigilância de Santa Catarina, até 1º de setembro havia cerca de 74 municípios infestados, Rio Negrinho não estava na lista.

 

Ações desenvolvidas

Esse dado positivo é resultado dos trabalhos desenvolvidos pelo comitê. Um dos destaques dos membros foi o foco do mosquito no bairro Alegre na divisa com o Cruzeiro encontrado em agosto. Após a notícia, cerca de 11 agentes reuniram-se para realizar a visitação de aproximadamente 500 casas no raio de 300 metros do caso. A ação foi realizada pelos membros das unidades de saúde e pela Vigilância Epidemiológica, em dois estágios, em um primeiro momento as casas foram visitadas para averiguação de água parada, coleta de amostras e distribuição de uma cartilha de conscientização a cada morador. A segunda, finalizada em setembro, foi direcionada a checagem dos cuidados nas residências que apresentaram situação inadequada.

Neste mês ainda foram realizadas três ações. A primeira realizada no feriado de Finados, contou com limpeza dos cemitérios, coleta de embalagens com acúmulo de água e orientação de conscientização nos locais. No ano anterior, uma ação como essa contou também com auxílio do grupo de escoteiros. Neste ano, através dessas limpezas foi possível encontrar no Cemitério Parque da Colina 700 embalagens irregulares, 400 no Cemitério Municipal de Rio Negrinho e aproximadamente 80 no do bairro São Pedro.

A segunda ação foi voltada a estimular escolas a desenvolverem trabalhos de conscientização. No CMEI Dona Benta, por exemplo, as crianças receberam os agentes da Vigilância Epidemiológica que explicaram a importância dos cuidados básicos para que o mosquito não se prolifere. No encontro, os alunos ainda puderam conhecer como ocorre o processo de coleta das larvas para análise, o que conquistou ainda mais os pequenos.

A terceira esteve presente na Campanha de Vacinação Contra a Poliomielite e Sarampo. Onde um agente se vestiu com a fantasia do mosquito Aedes aegypti para conscientizar crianças e familiares sobre a importância em se prevenir e averiguar as situações que podem auxiliar na proliferação. “Foi um momento muito bacana, utilizamos bastante a fantasia para essas ações. As crianças logo lembram dos cuidados e alertam os pais” contou a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Liege Kruger.

 

Irregularidades

Apesar das iniciativas do comitê alguns problemas vêm dificultando os trabalhos de conscientização. Um deles é o descarte inadequado de embalagens em locais públicos como os cemitérios. “Pretendemos fazer uma parceria com as funerárias e floriculturas para que nos auxilie a orientar a população ao descarte correto. Copos plásticos, por exemplo, facilitam muito a proliferação do mosquito”, complementou Liege.

 

Próximas ações

Na próxima semana, nas festividades do natal, quarta (28) e sexta-feira (30), os membros do comitê estarão divulgando os trabalhos desenvolvidos e materiais de conscientização. No local também haverá ações alusivas à Campanha contra AIDS e o HIV com entrega de panfletos educativos e preservativos.

 

Conheça as ações comitê de perto

As reuniões do comitê são realizadas uma vez ao mês, período da manhã, no auditório da Secretaria de Saúde. Nos encontros são discutidos as ações desenvolvidas, os alcances e melhorias e projeções futuras que atendam a comunidade. Mais informações podem ser feitas no endereço: rua Richard S. Albuquerque, 40, no centro ou, através do telefone 3646-4125, no Departamento de Vigilância Epidemiológica.

Download das fotos em alta resolução
Carregando