Eu amo Rio Negrinho

Materiais ortopédicos emprestados ainda não foram devolvidos à Saúde

A irregularidade vem afetando diretamente os pacientes cadastrados na fila de espera
19/09/2018 08:09

Como forma de auxiliar aos que necessitam, a campanha “Elas não caminham sozinhas” do Projeto Banco de Materiais Ortopédicos ainda continua, e é promovida pela Prefeitura de Rio Negrinho. Cadeiras de rodas, muletas, botas imobilizadoras, comadres e papagaio de inox são alguns dos materiais disponíveis à população. Mas a falta de devolução dos materiais, após o período de uso, ainda vem sendo um problema para o andamento da proposta. Apesar da mobilização de órgãos públicos, unidades de saúde e de moradores com as doações, a irregularidade vem afetando diretamente quem está na fila de espera para utilizar o equipamento.

Contando com a arrecadação de cadeiras de rodas à muletas, recentemente a iniciativa já até conseguiu parecer favorável do Ministério Público para a aquisição de novos materiais. Conforme o chefe de divisão Victor Santos, da Secretaria de Saúde, o projeto vem auxiliando muitas pessoas que necessitam, mas cabe a comunidade também cumprir com os prazos de devolução para que se possa alcançar o maior número de cidadãos. “Esses materiais não auxiliam apenas as pessoas que sofreram algum acidente, mas também pessoas mais velhas em suas atividades”, ressalta ele, destacando que a regra já era colocada desde a idealização do projeto com o vereador Willian Righetto.

Carina Treml, oficial administrativo, ainda conta que a pessoa ao retirá-lo preenche um requerimento de responsabilidade pela conservação e devolução do equipamento. Todo o procedimento é acompanhado de perto pela profissional, uma assistente social e o médico que encaminhou o paciente para o empréstimo. “Tudo isso é documentado e feito ligações quando o tratamento de um paciente está chegando ao fim. Se acaso o médico sinalizar que a pessoa ainda precise do equipamento é renovado um documento para outro empréstimo”, ressalta. A Secretaria de Saúde ainda reitera que em situações onde a necessidade é por tempo indeterminado o paciente continua com o equipamento.

A devolução dos materiais podem ser feitas diretamente na Secretaria de Saúde ou solicitar para que os responsáveis da unidade busquem na residência. “Devemos nos colocar no lugar do outro, assim como essa pessoa precisou e conseguiu, outras também precisam”, lembra Victor. A iniciativa vem crescendo como uma oportunidade para fazer a diferença na vida de alguém, já que equipamentos como estes possuem um valor alto para aquisição. Para mais informações, ligue no: 3646-4100.

 

Download das fotos em alta resolução
Carregando